14/09/2018

Aprenda receita fácil e rápida de iogurte caseiro

Para fazer iogurte caseiro, escolha o produto mais saudável lendo com atenção a lista de ingredientes sem se deixar levar pelas informações do rótulo

Iogurte caseiro natural com pedaços de morango
Iogurte caseiro natural com pedaços de morango

É possível fazer iogurte em casa, de forma simples, rápida e econômica. A receita inclui apenas dois ingredientes: leite, de caixinha ou pasteurizado, e fermento lácteo. O fermento lácteo pode ser encontrado em supermercados ou lojas virtuais e também com pessoas que cultivem os microorganismos responsáveis pela fermentação do iogurte, como o Kefir, por exemplo.

Porém, a maneira mais fácil de produzir o iogurte natural é utilizando o próprio iogurte em sua fabricação, conforme ensina a Cartilha - Alimentação Cardioprotetora, do Ministério da Saúde, em parceria com o Hospital do Coração (HCOR). A dica é utilizar o produto mais natural possível para que contenha microorganismos suficientes.

No geral, iogurtes saborizados (de mel, morango ou vitamina, por exemplo) levam formulações industriais em sua elaboração. Portanto, para fazer a receita de iogurte caseiro opte por um iogurte minimamente processado, sem aditivos químicos.

Como fazer iogurte caseiro com iogurte natural?

Dica 

Esse iogurte não tem adição de açúcar. Se quiser saborizá-lo, combine-o com frutas, canela, mel e cereais.

O que é o iogurte natural?

Os iogurtes minimante processados contêm poucos itens na lista de ingredientes. Se são descritos cinco ingredientes ou mais, em geral o alimento é classificado como ultraprocessado e não recomendado em termos nutritivos.

Os ultraprocessados trazem em sua composição formulações industriais ou com nomes desconhecidos, normalmente não usados em preparações culinárias, tais como: gordura vegetal hidrogenada, óleos interesterificados, xarope de frutose, isolados proteicos, agentes de massa, espessantes, emulsificantes, corantes, aromatizantes, realçadores.

Para optar pelo produto mais saudável, a dica da doutora em Nutrição e Saúde Pública e líder do Programa de Alimentação Saudável do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Ana Paula Bortoletto, é ler com atenção a lista de ingredientes dos produtos e não se deixar levar pelas informações do rótulo.

A especialista destaca que bebidas lácteas geralmente têm grande quantidade de açúcar e gordura, mas podem trazer alegações em destaque nas embalagens como “fonte de vitaminas e minerais” ou “antioxidantes”.

“O consumidor deve estar atento a esse tipo de informação, pois isso não significa que é um produto saudável. A presença de nutrientes críticos para a saúde pode ficar escondida com um tamanho de letra muito pequeno, na parte de trás da embalagem”, alerta a nutricionista.

Qual é o melhor iogurte?

Observe como os iogurtes podem ser classificados de formas diferentes a partir da lista de ingredientes:

Ingredientes de um iogurte natural desnatado

1. Leite pasteurizado desnatado e/ou
2. Leite reconstituído desnatado
3. Fermento lácteo

Trata-se de um produto minimamente processado. A formulação inclui alimentos in natura que foram submetidos a processos como pasteurização e fermentação, sem envolver acréscimo de sal, açúcar, óleos, gorduras ou outras substâncias. Portanto, o consumo é recomendado.

Ingredientes de um iogurte integral de mel

1. Leite pasteurizado integral e/ou
2. Leite reconstituído
3. Xarope de açúcar
4. Preparado de mel (xarope de açúcar, água, mel, amido modificado, açúcar, conservador sorbato de potássio, espessante goma xantana, acidulante ácido cítrico e aromatizante)
5. Proteína concentrada de leite
6. Soro de leite em pó
7. Fermento lácteo

Este é um alimento ultraprocessado, feito com muitos ingredientes, a maioria deles aditivos químicos, e uma pequena proporção de alimentos in natura. Portanto, o consumo não é indicado.

 

* Com informações da publicação Alimentação cardioprotetora: manual de orientações para profissionais da saúde básica

* Em formato simplificado, a Cartilha - Alimentação Cardioprotetora traz dicas de refeições para proteger a saúde do coração. A publicação está em sintonia com as recomendações do Guia Alimentar para a população brasileira, incluindo em suas orientações basear a alimentação no consumo de alimentos in natura e minimamente processados, limitar o consumo de alimentos processados e evitar o consumo de alimentos ultraprocessados.  

 



Compartilhar:

A+

A-

A



Visite o Portal da Saúde

Acesse o Blog da Saúde

Publicações do Ministério da Saúde

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

Ministério do Esporte