13/05/2018

Alimentação da mãe é importante desde a gestação

images/amamentacao_1200x800_shutterstock_567387562.jpg

Assim que começar a pensar em ter um filho, a futura mamãe já deve se preocupar com o que está comendo e optar por uma alimentação saudável. “Na gestação, a criança já entra em contato com a alimentação da mãe e, por isso, é preciso que ela tenha hábitos mais saudáveis”, explica a coordenadora dos Bancos de Leite do Distrito Federal, a pediatra Miriam Santos.

Essa memória alimentar adquirida na barriga da mãe é levada pela criança por toda a vida. Por essa razão, a alimentação materna é tão importante. A depender do que a mãe come e da relação dela com os alimentos, a criança poderá ter ou não hábitos alimentares saudáveis, tendência à obesidade ou até mesmo adquirir algum tipo de doença crônica.

“Com alimentação correta, os riscos de problemas cardíacos e diabetes são menores. As células aprendem a viver de uma forma saudável. A criança que não tem contato com açúcar até os dois anos de idade, por exemplo, não terá esse hábito na vida adulta”, afirma a pediatra.  

 

Foto: Karina Zambrana

Por isso, nos dois primeiros anos de vida, não se deve adoçar frutas e bebidas com nenhum tipo de açúcar: branco, mascavo, cristal, demerara, açúcar de coco e nem melado, mel ou rapadura. Também não devem ser oferecidas preparações que tenham açúcar como ingrediente, como bolos, doces, geleias e biscoitos.

Leia também:

O que comer durante a amamentação?

Aleitamento materno traz benefícios à mãe e ao bebê

A importância do leite materno nos primeiros seis meses

Alimentação da mãe

Muitos pensam que durante a amamentação a alimentação materna deve ser extremamente restritiva. Chocolate, café e brócolis já foram vilões e não eram nada recomendáveis. Com a evolução da ciência, muitos mitos vieram abaixo. Agora, o que vale é o bom senso. Pode-se comer, sim, esses e outros alimentos. Mas com moderação.

O leite materno pode variar de sabor de acordo com a alimentação da mãe. Por meio do leite materno o bebê entra em contato, desde cedo, com sabores dos alimentos ingeridos por sua mãe, o que influencia positivamente nas reações da criança quando ela começar a recebê-los de fato, a partir dos 6 meses.

Por isso, o ideal é que a mulher siga as recomendações do Guia Alimentar para a População Brasileira:

  • Fazer dos alimentos in natura ou minimamente processados a base da alimentação;
  • Utilizar óleos, gorduras, sal e açúcar em pequenas quantidades;
  • Limitar o uso de alimentos processados;
  • Evitar o consumo de alimentos ultraprocessados;
  • Comer com regularidade, devagar, em ambientes apropriados e, sempre que possível, estar acompanhada de familiares, amigos ou colegas de trabalho.

Uma coisa que poucos sabem é que todo leite materno é adequado para alimentar o bebê. O corpo é capaz de gerar um alimento com todos os nutrientes necessários para a criança.

Hidratação

Durante a amamentação, a mulher não pode descuidar da sua saúde, por mais ocupada e envolvida que esteja com os cuidados do bebê. Isso vale para a saúde física e mental. Há aspectos particulares da saúde da mulher, como a alimentação e a hidratação, que merecem atenção redobrada. Durante a amamentação, a mulher costuma sentir mais sede e fome.
A mãe que se alimenta bem terá um filho com uma boa memória alimentar. Se desde cedo a criança aprender o valor dos alimentos e se acostumar a conviver com produtos saudáveis, a chance dela comer com qualidade aumenta.

Dever de todos
Criar uma criança, alimentá-la e educá-la não são trabalhos de uma única pessoa, mas tarefa de todos que estão ligados, direta ou indiretamente, à criança: mães, pais, parceiros, avós, irmãos, professores, cuidadores e qualquer outra pessoa que conviva com ela. A proteção da infância é responsabilidade de toda sociedade.

O ato de amamentar deve ser apoiado e protegido por todos. A criança deve ser protegida da publicidade, tanto de fórmulas infantis industrializadas e demais produtos lácteos que desestimulam o aleitamento materno quanto daquelas que estimulam o consumo de alimentos ricos em açúcar, sódio e gordura. Este deve ser um compromisso compartilhado entre Estado e sociedade, incluindo empresas, organizações, família e educadores.

 

Compartilhar:

A+

A-

A



Acesse também

Parceiros