Compartilhar

A+

A-

A

Medalhista olímpico Gustavo Borges explica os benefícios da natação como atividade física

images/gustavoborges2_satirosodre_1200x800.jpg

Além de trabalhar vários grupos musculares, a natação auxilia na melhora da respiração, ajuda no controle do peso, proporciona bem-estar e eleva a autoestima. E o mais importante, pode ser praticada por pessoas de todas as idades, de bebês a idosos. Poucos brasileiros têm mais autoridade no assunto que Gustavo Borges, dono de quatro medalhas olímpicas (prata nos 100m livre em Barcelona - 1992; prata nos 200m livre e bronze nos 100m livre em Atlanta - 1996; e bronze no revezamento 4x100m livre em Sydney - 2000). 

"A natação é uma boa pedida para quem procura uma atividade física regular. Não tem impacto (na coluna e articulações) e é um esporte de enorme capacidade para melhorar a saúde e o bem estar do praticante", explica Gustavo Borges.

A prática do esporte é facilitada pela quantidade de piscinas disponíveis no país. "Felizmente,  temos um bom número de piscinas públicas no país, além daquelas disponíveis no Sistema S, como Sesi e Sesc", aponta o ex-atleta.

No entanto, Gustavo recomenda o auxílio de um profissional especializado. "É possível nadar sozinho para sair do sedentarismo? É possível. Mas eu não aconselharia muito praticar a natação por conta própria. Fora a necessidade de um profissional bem treinado, assim como em qualquer outra atividade física, para poder te passar um bom treino, você precisa de muito conhecimento para saber o que está fazendo na piscina. Há também uma questão importantíssima que é a sobrevivência aquática (técnicas que ensinam como se virar na água em diversas situações)", acrescenta o medalhista olímpico.

Nem todo mundo pode arcar com os custos de uma aula de natação e acaba aproveitando o que está à mão, como a piscina do condomínio ou a do clube. Mas o atleta alerta para algo que deve sempre vir em primeiro lugar: a segurança. "Para o caso da prática esporádica em piscinas de uso livre, que é o caso dos clubes, por exemplo, onde você não tem ali perto o acompanhamento de um profissional, o foco da supervisão fica na sobrevivência. E quem faz isso é o Corpo de Bombeiros, o salva-vidas. Nestes casos é imprescindível a presença de um deles para que você possa se exercitar com segurança. O ideal, claro, é a presença de um profissional bem capacitado ao lado para que se alcance o objetivo da maneira correta", conclui Gustavo Borges.

Leia também: 

Gustavo Borges fala da importância da natação desde os primeiros anos de vida

Compartilhar

A+

A-

A