Compartilhar

A+

A-

A

|

04/08/2017

A importância do leite materno nos primeiros seis meses da criança

images/amamentacao_1200x800_shutterstock_567387562.jpg

O Ministério da Saúde e a Organização Mundial de Saúde (OMS) trabalham durante o Mês do Aleitamento Materno para promover a importância do leite da mãe, que deve ser o alimento exclusivo do bebê nos primeiros seis meses de vida e que traz diversos benefícios aos pequenos e à nutriz. 

O aleitamento materno reduz em 13% a mortalidade até 5 anos, evita diarreia, infecções respiratórias, diminui risco de alergias, diabetes, colesterol alto, hipertensão, leva a uma melhor nutrição e reduz a chance de obesidade. Além disso, o ato contribui para o desenvolvimento da cavidade bucal do pequeno e promove o vínculo afetivo entre a mãe e o bebê.

"Os benefícios da amamentação são muitos para a a criança e para a mãe. E estamos descobrindo ganhos ainda mais duradouros e que se refletem ao longo de toda a vida", aponta Fernanda Monteiro, coordenadora das Ações de Aleitamento Materno do Ministério da Saúde. "Por meio do leite, a mãe passa ao bebê vários anticorpos que são extremamente importantes para a saúde dele".

"Muitos estudos mostram que o bebê que é amamentado acaba apresentando maior escolaridade, o que impacta diretamente no desenvolvimento do país. O leite materno também garante à criança que ela cresça com menos riscos de hipertensão, diabetes e colesterol alto, por exemplo, trazendo uma evolução para a saúde pública como um todo", explica a coordenadora. 

"Quando se fala em aleitamento materno, o foco é sempre a saúde do bebê, mas é preciso dizer que a mãe também recebe diversos benefícios. O ato de amamentar a criança diminui o risco de câncer de mama na mulher e ajuda no pós-parto, já que o útero se contrai e volta ao tamanho normal", finaliza Fernanda Monteiro.

Dicas de amamentação

 

Semana Nacional de Amamentação 2017

Com o slogan "Amamentar: ninguém pode fazer por você. Todos podem fazer junto com você", a campanha da Semana Nacional de Amamentação do Ministério da Saúde deste ano tem como objetivo fortalecer a participação e o cuidado de pais, familiares, empresas, educadores e toda a sociedade no processo de aleitamento, garantindo a alimentação exclusiva com leite materno até os seis meses de vida. Esta orientação é preconizada pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde.

O novo Marco Legal da Primeira Infância (Lei nº 13.257/2016) permite a prorrogação de 5 para mais 15 dias o período da licença paternidade, desde comprovado o envolvimento do pai com o desenvolvimento do bebê. "Quanto mais tempo as crianças são amamentadas, mais elas adquirem resistência às doenças e intensificam sua relação afetiva com a mãe. Este ano, estamos envolvendo também os pais nesta fase. Por isso, estamos apoiando a ampliação da licença-paternidade daqueles pais que são envolvidos com os cuidados das crianças, para que possam cada vez mais auxiliar as mães, criando um ambiente de conforto e condições adequadas para esta prática tão importante, que é a amamentação", ressalta o ministro da Saúde, Ricardo Barros. 

» Confira a matéria completa do Portal da Saúde sobre a Semana Nacional de Amamentação

 

Salas de Apoio à Amamentação

Salas de Apoio à Amamentação

Outro passo importante foi o aumento do número de implantações, por empresas privadas e públicas, de Salas de Apoio à Amamentação. Atualmente, o país possui 200 salas certificadas pelo Ministério da Saúde, com capacidade de beneficiar até 140 mil mulheres. Em 2014 eram 16 salas de apoio à amamentação.

As Salas de Apoio à Amamentação são locais simples e de baixo custo para as empresas, onde a mulher pode retirar o leite durante a jornada de trabalho e armazená-lo corretamente para que ao final do expediente possa levá-lo para casa e oferecê-lo ao bebê. 

Bancos de leite humano  

Os bancos de leite humano (BLH) são umas das principais iniciativas do Ministério da Saúde para a redução da mortalidade infantil. Atualmente, o Brasil conta com 221 Bancos de Leite e 188 Postos de Coleta, além da coleta domiciliar. Todos os estados brasileiros possuem, pelo menos, um BLH. Desde 2011, mais de 8 milhões de mulheres receberam algum tipo de assistência dentro da rede de bancos de leite humano.

Assista ao vídeo da campanha

 

 

 

Compartilhar

A+

A-

A